Estratégia de Sustentabilidade

A Copel fundamenta sua estratégia de sustentabilidade nos princípios e diretrizes previstos na Política de Sustentabilidade, nos valores orientadores do Código de Conduta da Companhia, no Referencial Estratégico, no Planejamento Estratégico, no processo de Materialidade, no interesse público que justificou sua criação a e nos compromissos voluntários assumidos, em especial: os Princípios do Pacto Global e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável – ODS da Agenda 2030, da ONU.

Tal estratégia visa a orientar a condução de processos, programas e iniciativas que possam contribuir direta e indiretamente na promoção de uma cultura de sustentabilidade e na geração de valor compartilhado, tornando sistêmico e amplo o debate ASG, reforçando o compromisso com o desenvolvimento sustentável e garantindo a perenidade da Empresa.

UHE Salto Segredo

Matriz 100% Renovável

A Companhia estimula a pesquisa, o desenvolvimento e a inovação, buscando soluções que contemplem a adaptação à mudança do clima e a redução de emissões na operação e expansão de seus negócios.

Para crescer de forma sustentável e alinhada com as discussões acerca dos desafios relacionados às mudanças do clima, a Copel tem ampliado investimentos em fontes alternativas de geração de energia.

Em 1999, a Empresa foi pioneira no estudo da força dos ventos para gerar eletricidade no Brasil; em 2011, aprovou Agenda Copel de Mudanças Climáticas; e a Política Corporativa de Mudança do Clima está em vigor desde 2016.

A matriz de geração de energia elétrica da Copel é 94% proveniente de fontes renováveis, em sua maioria de fonte hidráulica. 

Para 2030, a Copel planeja ser 100% renovável, por isso está estudando o desinvestimento nas usinas termelétricas em que possui participação acionária, além de ampliar os investimentos em parque eólicos e solares, como já realizado nos últimos 3 anos.

O Plano de Neutralidade de Carbono da Copel visa, até 2030, neutralizar as emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) para os ativos que a Copel detém controle operacional, por meio da redução e compensação de emissões residuais.

Considerando que a Copel assumiu o compromisso de estabelecer metas de reduzir significativamente as emissões de GEE de forma que suas ações permitam o atingimento de no máximo 1,5°C no aumento da temperatura global, foram definidas metas para os negócios de atuação da Companhia bem como a sua interligação de processos, sendo que as mesmas foram estabelecidas adotando os preceitos do SBTi (Metas Baseadas em Ciência) que correspondem as práticas a serem adotadas para as empresas que estão engajadas com os compromissos de Net Zero. As principais metas estão relacionadas e descarbonização da matriz de geração, frota, mudança do uso do solo e SF6.

Além disso, a Copel investe em pesquisa de novas fontes de energia que possam gerar créditos de carbono, tanto pela adicionalidade do projeto quanto pelo impacto ambiental, em especial aquelas que estejam vinculadas com biomassa ou resíduos – porque contribuem para redução da emissão de metano – e com esse valor agregado possam estimular o conhecimento da tecnologia visto que muitas vezes não são financeiramente viáveis, mas que para os créditos de carbono se justificam.

Frota e Instalações Sustentáveis

O consumo consciente está no dia a dia da Copel. Por isso, em 2014, foi criado o Programa de Ecoeficiência, com ações de combate ao desperdício de energia, água, combustíveis e papéis, além da redução de resíduos.

As ações do Programa Ecoeficiência têm como meta a redução de consumo de recursos naturais, a conscientização dos seus colaboradores e a redução de custos, por uma questão de educação, respeito ao meio ambiente e preocupação com as futuras gerações.

Eletroposto para recarga e compartilhamento de veículos em Curitiba

Operação Inteligente

O Programa Rede Elétrica Inteligente, maior do gênero na América Latina, nasceu de um projeto-piloto da Copel em 2018, em Ipiranga, nos Campos Gerais, abrangendo cinco mil unidades consumidoras nas áreas urbana e rural do município com ótimos resultados.

Em 2022, a Copel iniciou a instalação de medidores inteligentes em outros sete municípios da região Centro-Sul do Paraná. Um investimento para substituição tecnológica sem custo para o consumidor e sem onerar a fatura de energia, com redução de custos para a Companhia.

A implantação de sensores e dispositivos de controle à distância permitem que a rede de energia se religue automaticamente. Nos casos em que eventualmente isso não ocorra, a Companhia pode detectar e sanar eventuais problemas de desligamento a partir do Centro Integrado de Operação da Distribuição, em Curitiba.

 

O projeto cria uma infraestrutura de conectividade a outras aplicações. Viabilizando aplicações imediatas, como por exemplo, implantação de sistemas de reconfiguração de rede (self-healing) e automatização de religadores automáticos ou reguladores de tensão. Equipamentos que em tempo real se integram aos sistemas de informação do CIDIS, criando potencial para integrar outros serviços no futuro, como gestão da microgeração distribuída, utilização de tecnologias de armazenamento de energia, gestão da iluminação pública inteligente e gerenciamento do abastecimento de carros elétricos.

Em conjunto com os demais investimentos em infraestrutura, as ações de operação inteligente auxiliam na redução das perdas energéticas e das interrupções de fornecimento de energia, aumentando a qualidade dos serviços prestados pela Copel.

Geração de Valor e Compromissos

A Copel, na qualidade de empresa prestadora de serviços essenciais, é responsável pela execução de diversas políticas públicas com o objetivo de melhorar o bem-estar da população em sua área de influência.

A Companhia tem como diretrizes a atuação ambientalmente correta, socialmente justa e economicamente viável, respeitando a legislação aplicável e os compromissos voluntariamente assumidos, gerando valor para todas as partes interessadas.

A Copel é pioneira na gestão de questões ambientais, sociais e de governança corporativa. Ao longo de sua história, consolidou-se como uma empresa comprometida em prover energia e soluções para o desenvolvimento sustentável da sociedade, sendo a primeira empresa do setor elétrico a aderir ao Pacto Global das Organizações das Nações Unidas – ONU, em 12 de julho de 2000.

O crescimento econômico, a responsabilidade socioambiental, a inovação e a excelência em governança são conceitos intrínsecos à estratégia de negócios da Empresa e a Copel tem orgulho de estar na vanguarda da preservação da biodiversidade e de programas socioambientais, conforme as diretrizes da Política de Sustentabilidade da Companhia.

A Copel considera as expectativas das partes interessadas em suas decisões e desenvolve seus negócios com responsabilidade, buscando sempre alternativas que promovam o bem-estar social, alinhadas à legislação e às normas internacionais de comportamento.

Saúde e Segurança no Trabalho

A saúde e segurança no trabalho encontra-se presente na estratégia corporativa da Copel, especificamente definida como um dos valores da Companhia. A partir desta premissa busca-se garantir um ambiente de trabalho saudável em que os trabalhadores e os gestores colaboram para o uso de um processo de melhoria contínua da proteção e promoção da segurança, saúde e bem-estar de todos.

Deste modo, todos os empregados e gestores desenvolvem juntamente com as suas atividades habituais, uma rotina de cuidados com a segurança, de modo a assegurar que nenhum serviço seja executado fora dos procedimentos existentes na Empresa. Isso reflete-se na contínua melhoria dos programas e processos relativos a este tema.

Estes programas visam o alcance do objetivo de Zero Acidentes Fatais nas atividades da Companhia, a partir de 2023.

Integridade

Os princípios que norteiam as ações de Integridade na Copel estão fundamentados nos valores da Companhia, no Código de Conduta e no Pacto Global da Organização das Nações Unidas (ONU).

As ações realizadas pelas áreas responsáveis estão compiladas no Programa de Integridade, cuja finalidade é o correto tratamento aos desvios éticos e de conduta e principalmente a implementação de medidas anticorrupção.

Como pontos fundamentais para o bom desempenho do Programa, destacam-se o Código de Conduta e os Canais de Denúncia.

A Copel, companhia de capital aberto, alinha suas práticas às exigências estabelecidas para as empresas listadas no Nível 2 de Governança da B3 – Brasil, Bolsa, Balcão, atendendo aos dispositivos das Leis Federais nº 6.404/1976 e nº 13.303/2016, às regras da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e às demais legislações aplicáveis, no Brasil.

No exterior, a Companhia cumpre as normas da Securities and Exchange Commission (SEC) e da New York Stock Exchange (NYSE), nos Estados Unidos, além de atender Lei Sarbanes-Oxley (manutenção do ambiente de controles internos); e na Espanha, as normas do LATIBEX da Bolsa y Mercados Españoles.

A Copel tem como prática o aprimoramento constante do seu Sistema de Governança que vai além do atendimento às exigências legais, aos regulamentos da Comissão de Valores Mobiliários, ao Regulamento dos Emissores da B3 e às práticas impostas pela legislação norte-americana para empresas listadas na Bolsa de Valores de Nova Iorque.

Gestão da Sustentabilidade

Por acreditar que empresas sustentáveis agregam valor e fortalecem sua marca, ganhando condições para melhor enfrentar os eventuais riscos econômicos, sociais e ambientais, a Copel reafirma que a gestão para a sustentabilidade é o caminho capaz de proporcionar à sociedade, ao meio ambiente e às demais partes interessadas a oportunidade de usufruir, como parceiros, do crescimento e do desenvolvimento da Companhia.

A Copel adota como ferramentas de gestão de sustentabilidade as metodologias, normas, plataformas de certificação e avaliações de sustentabilidade que são referências na elaboração de relatórios, estruturação de processos e classificação das melhores práticas para o crescimento com sustentabilidade.

Buscando estar sempre atualizada nas temáticas ESG, a Copel participa de diversos fóruns específicos como o Pacto Global das Nações Unidas, o Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (Cebds), o Fórum Econômico Mundial, o Carbon Discloure Project (CDP), entre outros. 

O conjunto de metas da Copel segue as diretrizes de seu Planejamento Estratégico, sendo o rol de metas desdobrado a partir dos objetivos estratégicos, alcançando as estruturas organizacionais de forma vertical e horizontal, quando pertinente, integrando as áreas para o alcance conjunto. A análise das metas por meio dos indicadores permite à Companhia estabelecer níveis de desempenho e resultado desejados. 

Partes Interessadas

A Copel realizou o mapeamento das partes interessadas (stakeholders) com base na metodologia da AA 1000. O critério considerou o grau de impacto e influência (impactado, fortemente impactado, impactando e focado em valor). Assim os stakeholders foram representados nas áreas de sombreamento da ilustração, conforme o nível de relacionamento com a organização. Além do meio ambiente os públicos considerados prioritários são os acionistas, clientes, comunidades, concorrentes, empregados e fornecedores.

Materialidade

O processo de Materialidade da Companhia é desenvolvido com base em levantamento e processamento de dados sobre os temas relevantes para a Copel (Holding) e suas Subsidiárias Integrais, com aprovação do Conselho de Administração, cujo resultado serve de suporte para a elaboração do Planejamento Estratégico e do Relato Integrado, sendo, portanto, fundamentais para a condução dos negócios da Companhia, além de considerarem os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Planejamento Estratégico

No que se refere a um processo sistêmico, o Planejamento Estratégico é realizado numa organização com o objetivo de orientar qual o melhor caminho ou a melhor maneira de atingir metas pré-estabelecidas, visando sempre o melhor cenário previamente analisado.

Na Copel, a área de planejamento e gestão do desempenho empresarial é responsável por coordenar esses assuntos de forma integrada entre a Copel Holding e as subsidiárias integrais, bem como definir diretrizes para o seu desdobramento.

Inovação, Pesquisa e Desenvolvimento

A Inovação, atrelada à Pesquisa e Desenvolvimento, é tema material para a Companhia, cujas iniciativas são desenvolvidas por diversas diretorias, principalmente no que diz respeito à cultura de inovação.

Além da cultura, melhorias significativas estão sendo implementadas nos processos. Destaca-se, por exemplo, a criação do setor de inovação no âmbito da Diretoria de Desenvolvimento de Negócios, cuja atuação promoveu a inserção do tema inovação como parte da Política de Investimentos da Companhia concomitante à instituição do Comitê de Investimento e Inovação, com o objetivo de acelerar iniciativas de interesse do Grupo. Deste modo, a Empresa passa a destinar uma reserva de recursos para investimento em projetos de inovação, além dos recursos tradicionalmente já destinados ao programa regulado de P&D da Aneel.

Objetivos de Sustentabilidade da Copel

A Copel adotou a estrutura dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) como uma de suas principais diretrizes de Sustentabilidade. O lançamento da Agenda 2030 (ONU) em 2015 foi um marco para o desenvolvimento sustentável em escala global: 17 objetivos impactantes desdobrados em 169 metas, que devem ser adaptadas a contextos locais. 

Com o lema de “não deixar ninguém para trás”, a missão dos ODS é alavancar o compromisso juntos aos diversos atores (nações, governos, industrias empresas, academia, entre outros) para uma atuação ampla e participativa. As estratégias de implementação são regionalizadas, considerando características específicas e ações prioritárias de cada território. 

No caso da Copel, principalmente em sua área de atuação, são desenvolvidas iniciativas alinhadas a sua estratégia de geração de valor com a sustentabilidade. 

Em 2018, como produto das oficinas de trabalho do grupo “Energia & Clima” da Rede Brasil do Pacto Global, foi publicado o manual “Integração dos ODS no Setor Elétrico Brasileiro (SEB)”, que elencou os cinco ODS mais relevantes para empresas do setor elétrico, cuja priorização também foi adotada pela Copel:

  • ODS 7 – Energia Limpa e Acessível;
  • ODS 8 – Trabalho Decente e Crescimento Econômico;
  • ODS 9 – Indústria, Inovação e Infraestrutura;
  • ODS 11 – Cidades e Comunidades Sustentáveis;
  • ODS 13 – Ação contra a Mudança Global do Clima.

Estes ODS permeiam os pilares ASG: