Gestão de Resíduos

A Copel possui um processo de gestão de resíduos que visa promover o correto gerenciamento dos resíduos sólidos, desde a geração até a destinação final; prevenir impactos ambientais negativos e maximizar os positivos, atendendo aos requisitos legais e às condicionantes do licenciamento ambiental dos empreendimentos.

Conforme estabelece a Política Nacional de Resíduos Sólidos, a Companhia possui Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS) para seus empreendimentos, moldando assim as políticas macros para as especificidades de cada localidade. A gestão relacionada aos resíduos sólidos envolve a revisão periódica dos requisitos legais e das condicionantes ambientais, a identificação de boas práticas e oportunidades no setor, o planejamento de atividades, a verificação do cumprimento e a melhoria constante do processo.

Periodicamente é feito o monitoramento da quantidade de resíduos gerados por meio de sistemas de controle. Esses resíduos são armazenados em locais específicos até que seja realizado a destinação dos mesmos.

Para a destinação de resíduos administrativos recicláveis é dada prioridade para entrega às associações de catadores de materiais recicláveis, por meio da Coleta Seletiva Solidária. Já para o material orgânico, a prioridade é a realização da compostagem.

Manual de Gerenciamento de Resíduos Sólidos

Geração de Resíduos

Os principais resíduos gerados nas operações da Companhia são: cabos de cobre e alumínio, postes, cruzetas de concreto, isoladores cerâmicos, baterias, óleo mineral isolante, resíduos de poda e também equipamentos inservíveis, como transformadores, reguladores de tensão, disjuntores e similares.

Os resíduos gerados na implantação de novos empreendimentos são gerenciados pela empresa contratada para a execução da obra. Nesses casos, a Copel exige a apresentação e aprovação do Plano de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil – PGRCC e, ao final da obra, a apresentação do relatório de gerenciamento, comprovando a execução do plano e compilando os manifestos de transporte, certificados de destinação final e licenças ambientais.

Nas atividades administrativas, os resíduos orgânicos e rejeitos são destinados por meio de compostagem, contratação ou coleta municipal e os resíduos recicláveis são doados prioritariamente para cooperativas de reciclagem, por meio do programa Coleta Seletiva Solidária.

Manual de Transporte de Substâncias Perigosas

O material visa orientar os funcionários envolvidos com transporte de substâncias perigosas sobre os procedimentos exigidos pelas normas e legislação.

Destinação de Resíduos

A destinação dos resíduos gerados pela Companhia é realizada dando prioridade para os processos de reuso e reciclagem, conforme preconiza a Política Nacional de Resíduos Sólidos. 

Para os resíduos que apresentem alguma característica que represente risco à saúde pública e ao meio ambiente, a destinação final é realizada para empresas contratadas que comprovem qualificação técnica e licenciamento ambiental.

A tabela abaixo apresenta os principais resíduos gerados nas atividades operacionais da Copel Distribuição e os métodos de destinação final adotados.

Resíduo Método de Destinação Final
Resíduos contaminados com PCB Descontaminação e/ou Incineração
Transformadores de rede e demais equipamentos de operação Reciclagem
Baterias Reciclagem
Solo e brita contaminados por óleo mineral isolante Coprocessamento e/ou Aterro para resíduos Classe I
Postes e cruzetas de concreto Reciclagem
Medidores Reciclagem
Isoladores Reciclagem
Cruzeta de concreto Reciclagem
Sucata de alumínio Reciclagem
Sucata de ferro/aço Reciclagem
Sucata de cobre Reciclagem
Resíduos de Poda Compostagem e/ou Aterro para resíduos Classe II