Resíduos, Efluentes, Emissões e Ruídos

Consoante à legislação, à Política de Sustentabilidade e à Política Ambiental, a Copel promove o gerenciamento dos resíduos, efluentes, emissões e ruídos oriundos da implantação de empreendimentos, operação e processos administrativos.

Os dados são acompanhados pelas áreas ambientais da Companhia e anualmente são divulgados por meio dos relatórios socioambientais e do Relato Integrado da Copel (Holding). As ações são coordenadas pelo Programa Ecoeficiência e pelas subsidiárias, que desdobram esse monitoramento e condicionam a responsabilidade ambiental para a cadeia de suprimentos.

Gestão de Resíduos

A Copel possui um processo de gestão de resíduos que visa promover o correto gerenciamento dos resíduos sólidos, desde a geração até a destinação final; prevenir impactos ambientais negativos e maximizar os positivos, atendendo aos requisitos legais e às condicionantes do licenciamento ambiental dos empreendimentos.

Efluentes

Nos processos da Copel os efluentes podem ser oriundos dos processos produtivos ou administrativos, sendo conferidos a estes os tratamentos necessários para garantir sua conformidade com todos os parâmetros de controle aplicáveis, em cumprimento aos quesitos legais e de licenciamento ambiental dos ativos, bem como do ponto de vista da responsabilidade ambiental da Companhia.

Os empreendimentos de geração, tem seus efluentes monitorados continuamente através do Plano de Gerenciamento do Subprograma de Monitoramento de Efluentes Sanitários e industriais, sendo realizadas coletas periódicas de acordo com orientações e procedimentos constantes nos Manuais de Coleta de cada empreendimento, e pautado pelas diretivas do Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater – 23a edição 2017 e em atendimento às condicionantes das Licenças de Operação dos empreendimentos e ao definido na Resolução CONAMA nº 430/2011.

Os efluentes domésticos sanitários e as águas utilizadas para as atividades realizadas nas oficinas de manutenção, como de lavagem de peças e drenagem de piso de instalações, são submetidos a tratamento em sistemas locais de depuração biológica e físico-química para que seus descartes sejam direcionados a corpos de água superficial ou sumidouros. Nos sistemas sanitários dotados de sumidouro não há monitoramento, pois não ocorre descarte de efluentes em corpo d’água superficial. Os sumidouros promovem a adequada infiltração do efluente tratado no solo.

Os efluentes (esgoto sanitário) gerados nas instalações administrativas da Companhia são destinados à rede coletora de concessionárias públicas de saneamento.

Os monitoramentos realizados vêm indicando que os sistemas da Copel apresentaram resultados condizentes com o preconizado na legislação aplicável.

Emissões Atmosféricas

A Copel, apesar de possuir sua fonte de geração de energia predominantemente hidráulica e eólica, possui entre seus ativos usinas termoelétricas, que geram energia a partir de vapor proveniente da queima do combustível. A combustão inevitavelmente gera emissões atmosféricas, tais como material particulado, óxidos de enxofre e nitrogênio, monóxido e dióxido de carbono. Para evitar que estes gases gerem impactos ambientais negativos, as plantas contam com tecnologias de controle de poluição atmosférica, tais como filtros manga, precipitador eletrostático, entre outras.

Para avaliar a eficiência destes equipamentos no controle das emissões e garantia da conformidade legal, a Copel realiza o monitoramento periódico das emissões de plantas termoelétricas (fontes estacionárias), além de acompanhar a qualidade do ar no entorno dos empreendimentos, visando à preservação do meio ambiente e da saúde da população.

Para saber mais, acesse o Programa de Monitoramento das Emissões Atmosféricas e Qualidade do Ar.

Ruídos

A Copel realiza o monitoramento dos ruídos ambientais provenientes da implantação e operação de seus empreendimentos, desmembrando-se também às atividades realizadas nos prédios administrativos da Companhia e aos fornecedores e prestadores de serviço, visando garantir o atendimento aos limites legalmente estabelecidos pelas Resolução CONAMA nº 1, de 8 de março de 1990, pelas Normas ABNT NBR-10.151 e NBR-10.152, bem como pelas legislações estaduais e municipais específicas. 

As medições são realizadas por empresas especializadas, com utilização de equipamentos específicos e com foco nos receptores que poderiam ser mais afetados por eventuais ruídos oriundos das instalações da Copel. As campanhas são realizadas periodicamente, seguindo as determinações das licenças ambientais, e o monitoramento realizado contribui para evitar impactos negativos às comunidades das áreas abrangidas por seus empreendimentos.